Pedras na Vesícula: O que preciso saber

Atualizado: 11 de mai. de 2021


O que é Vesícula Biliar e para que serve?


A vesícula biliar é um órgão localizado em contato com o fígado, situada no hipocôndrio direito ( abaixo das costelas ). Sua principal função é armazenar a bile, substância produzida pelo fígado que auxilia no processo de digestão dos alimentos.

A bile é rica em colesterol, sal biliar, eletrólitos, pigmentos, bicarbonato e água. Quando algum destes componentes se encontram em desequilíbrio, ou se a vesícula apresenta sinais de dismotilidade ( funcionamento inadequado ) pode ocorrer saturação de alguma destas substâncias e consequentemente precipitação, formando então os cálculos biliares. Para este quadro damos o nome de Colelitíase, Colecistolitíase ou “Pedras na Vesícula”.


Fatores de Risco

Os principais fatores de risco incluem:

1. Idade: habitualmente surgem a partir dos 40 anos, sendo menos comum na faixa etária mais jovem

2. Sexo: a colelitíase é cerca de 2,5 a 3 vezes mais comum na mulher em relação ao homem

3. História familiar: considerado um dos principais fatores de risco. O risco é aumentado com história positiva para parentes de primeiro grau

4. Obesidade: mudança na composição da bile leva ao risco maior de precipitação e formação dos cálculos

5. Emagrecimento rápido: pacientes que sofrem redução súbita do peso como após a cirurgia bariátrica apresentam maior risco de desenvolvimento de colelitíase

6. Outras: Anemia Falciforme, Doença de Crohn, entre outras doenças.


Sintomas

60% dos pacientes portadores de colelítiase são assintomáticos. Entretanto a presença de dor abdominal na região do hipocôndrio direito, tipo cólica, dispepsia ( saciedade precoce ou empachamento ) geralmente relacionados a alimentação podem sugerir a presença de colelitíase.

Em algumas situações os cálculos podem migrar da vesícula e passar para o colédoco ( canal que leva a bile ao duodeno ). Durante este caminho ele pode obstruir este canal, causando coledocolitíase, manifestada por dor, icterícia e as vezes febre quando chamamos de colangite ou até mesmo pancreatite aguda. Os cálculos maiores, geralmente superiores a 1 cm podem obstruir o ducto cístico levando a inflamação aguda da vesícula biliar, conhecido como colecistite aguda e que requer tratamento de urgência.


Tratamento

O tratamento dos cálculos na vesícula biliar devem passar por uma avaliação do especialista ( Cirurgião Geral ), que solicitará os exames necessários e avaliará a real necessidade e estimar os riscos do procedimento.

O tratamento definitivo é através de cirurgia, chamada de colecistectomia. A operação é realizada através de Videolaparoscopia, procedimento minimamente invasivo que permite uma breve recuperação ao paciente. A colecistectomia videolaparoscópica hoje é um dos procedimentos cirúrgicos mais comuns em nossa rotina.

Após a retirada da vesícula o organismo se adapta muito bem a sua ausência e a partir da segunda semana após a cirurgia a grande maioria dos pacientes não apresentam restrições alimentares.


6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo